Pessoas

Resiliência em tempos de crise


Refletir sobre o tema resiliência, de forma a melhora a qualidade de vida e no trabalho e nas pessoas.

Resiliência é uma palavra que vem do latim RESILIO, que significa "voltar ao normal". O conceito foi criado em 1807, pelo cientista inglês Thomas Young, que fazia estudos sobre a elasticidade dos materiais. Mais tarde, a resiliência foi incorporada pela física como a capacidade que certos materiais têm de acumular energia quando submetidos a um esforço e, cessado o esforço, retornar ao seu estado natural sem sofrer deformações permanentes. É o que acontece com uma vara no salto em altura: quando o atleta toma impulso para saltar, a vara se curva, acumula energia, projeta o atleta sobre o obstáculo e depois retorna ao seu estado normal.


Mas o que a física tem a ver com o ser humano? A analogia que podemos fazer nesse caso com as pessoas é que ser resiliente é uma questão de atitude, isto é, entrar em ação para solução das pressões e adversidades cotidianas. O profissional resiliente não permite entrar na sintonia do medo e da tristeza, sentimentos estes que paralisam a pessoa impossibilitando a retomada para a ação. Não permitem também experimentar a energia da raiva, pois a raiva descontrolada apenas busca culpados em relação ao que se passa.


O iatista Lars Grael é um exemplo de uma pessoa resiliente. No auge da sua carreira repleta de conquistas, teve sua perna decepada pela hélice de um barco, em um trágico acidente em 1999. Anos depois voltou a competir e ganhar medalhas. "O erro das pessoas, em geral é se voltar para trás", disse Grael certa vez. "Se eu fosse comparar minha vida anterior com a que levo hoje, com certeza teria entrado em depressão. Mas não adianta olharmos para trás. Temos que lidar com o aqui e agora. Poderia ter sido pior, e tenho a obrigação de me sentir no lucro".


O profissional resiliente primeiramente questiona o que deve ser feito para solucionar este problema, investigando várias opções, utilizando a sua flexibilidade e criatividade para sair do momento adverso, conseguem "fazer do limão uma limonada", "vender lenços enquanto todos choram", rir de suas próprias limitações. Essas pessoas sejam grandes líderes ou simples cidadãos, conseguem ver na vida muito mais do que trabalhar para pagar contas, para agradar seus chefes ou acionistas, garantir fama e reconhecimento. Trabalham por si mesmas, e pela humanidade que criam ao redor de si, ignorando outras criadas por pessoas cujo único significado da vida se encerra no dia após o outro. Indivíduos resilientes sonham alto, e os seus sonhos envolvem outras pessoas, que provavelmente se inspirarão com seus exemplos de humanidade e senso coletivo.


Todos nós podemos nos tornar resilientes. Seguem algumas dicas:


• Mentalizar seu projeto de vida, mesmo que não possa ser colocado em prática imediatamente. Sonhar com seu projeto é confortante e reduz a ansiedade;


• Aprender e adotar métodos práticos de relaxamento e meditação;


• Praticar esporte para aumentar o ânimo e a disposição. Os exercícios aumentam endorfinas e testosterona que, conseqüentemente, proporcionam sensação de bem-estar;


• Procurar manter o lar em harmonia, pois este é o "ponto de apoio para recuperar-se";


• Aproveitar parte do tempo para ampliar os conhecimentos, pois isso aumenta a autoconfiança;


• Transformar-se em um otimista incurável, visualizando sempre um futuro bom;


• Assumir riscos (ter coragem);


• Tornar-se um "sobrevivente" repleto de recursos no mercado profissional;


• Apurar o senso de humor (desarmar os pessimistas);


• Separar bem quem você é e o que faz;


• Usar a criatividade para quebrar a rotina;


• Permitir-se sentir dor, recuar e, às vezes, enfraquecer para em seguida retornar ao estado original.


E você já pensou sobre isso? O que o mercado mais quer são profissionais que tenham resistência a frustrações, musculatura emocional para lidar com os reveses do mercado.


O que você vem fazendo para lidar com as frustrações em sua carreira e na sua vida pessoal?


Abraço e sucesso!!

Leonardo Borges




Ellebê, 5 anos

Blog

Gestão da Mudança através de Comportamentos e Atitudes

Inscreva-se